Intrapreneurship vs. Empreendedorismo: o que é isso tudo?

Em tempos de incerteza (VUCA), muitas organizações buscam estabilidade e orientação com uma clara dimensão de responsabilidade. Novos paradigmas e conceitos como “intra-empreendedorismo” estão sendo desenvolvidos, os quais encontram contradições e dilemas no desenvolvimento organizacional e pessoal. Quanta responsabilidade um funcionário pode assumir quando a organização ameaça abandonar um aspirante a “intraempreendedor”?

Dilemas do empreendedorismo versus empreendedorismo

Muitas organizações estão buscando estabilidade e orientação, especialmente nestes momentos de incerteza, que são particularmente provocados pela digitalização. Uma dimensão clara para gerenciar a incerteza não está mais no controle permanente dos funcionários, mas na responsabilidade.

Essa nova perspectiva cria novos paradigmas e novos termos, como “intra-empreendedorismo”, palavra derivada de “intra-corporativo” relacionada a atividades internas (internas), empreendedorismo e empreendedorismo. Estritamente falando, esses termos não têm uma definição definida.

Intrapreneurship hoje

O “intraempreendedor” é um empregado que atua como um empreendedor interno. Ele trabalha com suas próprias responsabilidades, é criativo, engenhoso, orientado para a equipe e tem qualidades de liderança. O “intraempreendedorismo” descreve, assim, o comportamento empreendedor dos empregados nas empresas, bem como nas instituições e administrações públicas.

Os intraempreendedores trabalham de forma independente, se tiverem ideias que se encaixem bem em uma estrutura específica. No entanto, eles também correm o risco de serem sobrecarregados com responsabilidades e trabalhar mais horas. Hoje, o termo “intra-empreendedorismo” foi expandido e também é entendido como uma maneira de dar aos funcionários mais liberdade e espaço de desenvolvimento para si mesmos e para desenvolver novos produtos ou serviços e para garantir que eles permaneçam na empresa.

Ponderando entre duas opções

Contradições e Dilemas

O termo “intra-empreendedorismo” encontra muitas contradições e dilemas no desenvolvimento organizacional e pessoal. Quanta responsabilidade um empregado pode assumir sem ser sobrecarregado? Quando a organização ameaça largar um aspirante a intraempreendedor? Como você trabalha com o empreendedorismo? Quanto se oferece para manter um intraempreendedor?

Essa contradição é uma inversão do termo. Um exemplo frequentemente citado de intra-empreendedorismo é Tony Fadell, que fracassou como empreendedor, mas criou com sucesso o iPod como funcionário da Apple, que mais tarde se tornou a base do serviço de streaming iTunes e, portanto, causou uma ruptura na indústria da música.

Empreendedorismo

A definição do termo “empreendedor” também é bastante complexa e multifacetada. Pode ser uma personalidade deslumbrante, bem como um visionário, um manipulador eloqüente ou um lutador solitário. No sentido econômico da palavra, muitas vezes é traduzido como fundador da empresa. Mas isso também não é totalmente preciso. O economista britânico Richard Cantillon entendia o empreendedor principalmente como um tomador de risco com insegurança de renda. Mais tarde, Joseph Schumpeter expandiu o termo. Acima de tudo, ele viu o papel do empreendedor como aquele que produz novas combinações. Crie novas combinações e desbloqueie uma porta de oportunidades infinitas para a inovação.

Exemplos de pessoas que se encaixam nessa definição são: Steve Jobs, que combinou funções como telefonemas com a mídia e a Internet, e o ganhador do prêmio Nobel, Dr. Muhammad Yunus, que ligou a economia à ideia de possibilitar a mudança social e a inovação. Além do fato de que esses empreendedores tinham uma grande visão (a tecnologia melhora a coexistência, a economia pode resolver problemas humanitários), sua abordagem e modo de pensar, mudança e inovação tornaram isso possível.

Hoje, há mais caminhos para entender intra e empreendedorismo não só desde o início (ou seja, não apenas a partir da descrição de uma pessoa), mas dos objetivos corporativos e toda a estratégia organizacional, de uma maneira incerta e extremamente rápida para poder para afirmar com sucesso um tempo de mudança.

Jovem empreendedor

As 5 dimensões do empreendedorismo

Durante seu tempo, Schumpeter definiu o empreendedorismo em cinco dimensões:

  1. Lançar produtos novos ou modificados
  2. O uso de novos métodos de marketing ainda não comprovados
  3. Abra ou crie um novo mercado
  4. A aquisição de novas formas e recursos para a produção de produtos
  5. Criar novas estruturas econômicas, por exemplo mudando monopólios (mudanças nos setores postal e de transporte, indústria ferroviária e de táxi, telecomunicações, etc.)

Portanto, o empreendedorismo sempre foi uma abordagem abrangente e nunca excluiu o intra-empreendedorismo, uma vez que o termo foi muito além da fundação de empresas.

Impactos Práticos nas Organizações

Como isso afeta as organizações em termos práticos?

  1. Uma definição clara de termos ajuda a iniciar e implementar efetivamente os processos intra e empreendedorismo.
  2. Pela nossa experiência, ajuda a entender pessoalmente o que o intra ou o empreendedorismo realmente significa e não como uma definição vaga ou estereotipada que é frequentemente mal interpretada.
  3. O Intra e o Empreendedorismo podem, portanto, cumprir sua função em uma organização, criar força e liberdade para os intraempreendedores e promover a inovação.
  4. Cria a oportunidade de entender o intra e o empreendedorismo não apenas desde o início. Eles podem ser entendidos em termos de seus efeitos e, portanto, orientados para a meta, o propósito e a estratégia organizacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *